"Eu gostaria de abraçar o mundo inteiro em uma rede de caridade"
António Frederico Ozanam

sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

Mensagem de Natal 2016

INTRODUÇÃO
O romper da Aurora, a primavera ainda não chegou em Portugal mas achei que o nosso presidente do C.G.I, Renato Lima na sua Mensagem de Natal, define bem uma nova maneira de rasgar nos céus "O seu Período inicial", uma espécie de um fenómeno não nocturno mas como se  nasce-se o sol. Para os Portugueses estava a faltar, alguém que fala-se o idioma de Camões, o português, para que através da comunicação chegue pelos menos à maioria. 
Vou dar-me ao trabalho por transcrever a sua "Mensagem de Natal-2016", porque a acho agora, importante, porque para já muita gente não teve conhecimento embora não seja o nosso caso pois tive o cuidado de já a ter transmitido numa das páginas:  Boletins da CGI/SSVP 

Queridos vicentinos do mundo inteiro;

Com alegria lhes transmito algumas palavras neste lindo tempo de Natal.

« O Natal de Nosso Senhor Jesus Cristo constitui um dos momentos mais adequados do ano para se reflectir, com fé, sobre o caminho vicentino que temos percorrido nas nossas Conferências, obras e Conselhos e sobre os desafios que se nos apresentam para o futuro. Nesta época do ano, voltamos o nosso olhar para o Menino Jesus que, naquele tempo, diante de todas as adversidades que sofreu com a sua família, nasceu e «habitou entre nós», (João 1,14), trazendo-nos a salvação, e testemunhando um caminho de santidade para todos.
A família de Nazaré (Jesus, Maria e José), no exílio, emigrante no Egipto (Mateus 2, 13-15), viu-se obrigada a abandonar sua pátria, sua família e seus amigos, fugindo da fúria implacável do rei Herodes. Eles são exemplos de emigrantes, que fogem das perseguições e da fome. Assim como sofreu Jesus, o mundo de hoje está repleto de carências, sofrimentos, perseguições e desarmonia. Há muitas pessoas e famílias vivendo enormes dificuldades nas suas vidas, muitas delas tendo que deixar as suas nações em busca de lugares mais seguros, necessitando da solidariedade humana e da caridade fraterna de todos, especialmente dos vicentinos por todo o planeta, que acolhem e servem, com esperança, a cerca de 30 milhões de irmãos e irmãs.
Meditar sobre as condições de vida dos mais carentes, sobretudo a respeito da crise moral e ética em que estamos inseridos, é fundamental par compreendermos os desafios que a sociedade de São Vicente de Paulo e a Família Vicentina têm pela frente, num mundo intolerantes, preconceituoso, de excluídos, desiguais e, sobretudo, pouco cristão. Não basta apenas socorrermos as necessidades de emergência. "É preciso ir além" como dizia Ozanam, aprofundando nossa acção ao identificar as raízes dos males que afligem os nosso irmãos, e propor soluções e alternativas  para reduzirmos esses males.
Aquele mesmo Jesus, que viveu entre os pobres, espera de nós uma acção concreta e eficiência! Portanto, aproveitemos o momento do Natal para fazermos um balanço da nossa acção  caritativa. Essa reflexão terna-se fundamental, especialmente agora, por ocasião da comemoração dos 400 anos do carisma vicentino, cujo tema é  «Era estrangeiro e me acolhestes» (Mateus 25,35). Que este apelo nos ajude a amenizar o sofrimento de todos os imigrantes e que eles encontrem paz, amor, respeito e acolhimento nas terras que os recebem. Que Nosso Senhor Jesus Cristo, nascido em Belém, possa abrir os corações e as mentes da humanidade para que possamos levar a "luz da Verdade" ao mundo inteiro. Que o espírito do Natal seja, de facto, uma realidade em nossas vidas e que Jesus nasça e permaneça nos nossos corações! Esse é o desejo do Presidente Geral. Que todos nós tenhamos um santo Natal do Senhor e que o ano de 2017 ("Ano de Bally") seja repleto de bênçãos e realizações.

Em São Vicente e Ozanam, deixo a todos uma saudação fraterna, com as Bênçãos de nossa Santa Mãe, a Virgem Maria. Louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo!

Renato Lima de Oliveira
16º Presidente Geral

    

Sem comentários:

Enviar um comentário