"Eu gostaria de abraçar o mundo inteiro em uma rede de caridade"
António Frederico Ozanam

terça-feira, 22 de março de 2016

A visão Vicentina sobre a pobreza


A Sociedade de São Vicente de Paulo é uma associação mantida por suas crenças Fé e católicos, mas em que também é essencial, a fim de preservar sua identidade e missão, a sua espiritualidade a ser centrada e orientada para as pessoas em situação de pobreza e risco social. A iniciação e desenvolvimento de Conferências é, entendida a partir destas duas condições, a fé professada e atenção aos mais vulneráveis, o nosso próximo em necessidade, e isso forma o carisma vicentino bem conhecido que sempre que visa responder à pobreza, seja qual for a origem ou condição, vendo Cristo nos pobres e os pobres em Cristo.
Mas o carisma vicentino de amor e de serviço para as pessoas mais vulneráveis ​​é feito com um sentido de promoção que dignifica e grandemente respeita a pessoa que recebe ajuda, mantendo o objectivo central da sua caridade para com o ser humano como um filho de Deus e nosso irmão. Por esta razão, não é uma ajuda fora do social, comunitária e familiar realidade da pessoa servido, mas esse projecto de serviço é muito personalizado, fazer um plano de regeneração única, que está contando principalmente no indivíduo a quem se dirige (ambos em seu lado espiritual e material), adaptando-se às qualidades e características daqueles que recebem o nosso apoio, a reflectir que as conferências não ajudam "em série", mas trata cada pessoa da sua verdadeira e única condição, que é conhecida e cuidada com uma relação estreita, com amizade e amor. 
Um conceito que definimos como mudança sistémica.
E este plano ajudando, imbuído de nosso carisma, deve ser feito a partir de uma atitude de serviço que tem uma série de habilidades que temos de sentir e estilo, polonês e viver cada dia. Nossa chamada não é "distante", é a proximidade, tocando e escutando, vivendo e dando, dá-nos pessoalmente e com generosidade. E, nessa proximidade, só há verdade, que é transmitida através de reciprocidade, amor e compreensão. Mas também, como veremos, através da firmeza e perseverança, com cautela e humildade. Aproximando-se da pobreza e viver com os nossos irmãos é, obviamente, um serviço que requer a nossa total responsabilidade, compromisso, habilidade e amor.
Neste sentido, cada passo que damos (individual e institucional) em favor de pessoas que vivem na pobreza nos aproxima de outras pessoas que, como nós, sensação instados a colaboração, ajudar aqueles que mais precisam. Esta rede de caridade que tem sua estrutura interna nas Conferências de todo o mundo, na Família Vicentina e da Igreja Universal, e suas relações externas às instituições do Terceiro Sector e organizações- público e privado é vital para a pobreza a ser encurralado ou, pelo menos, que "as pessoas descartados" por parte da sociedade iria encontrar em que "periferia" de uma mão amiga, pronto para dar uma resposta sincera e incondicional, humana e, no nosso caso, também cristão.
Por causa da proximidade e sincera preocupação com os outros, se trata do efeito da capacidade de adaptação a um mundo em mudança e a capacidade de resposta a novas necessidades e pobreza emergentes para que só pode ser alcançado a partir da posição de alerta da Sociedade de São Vicente de Paulo, isso nunca sono, que nunca está satisfeito, sempre pedir mais, sempre exigindo mais se da sua forma de serviço. Solidão, doença mental, a realidade familiar e o valor da vida, o drama dos refugiados... São algumas das questões importantes a Conferência deve enfrentar com a melhor disposição e conhecimento, com a antecipação de uma organização que possa, pela sua experiência e experiência, antecipar e/ou aprofundar as causas da pobreza (referido na nossa Regra como "estruturas de pecado"), que estão constantemente formando no nosso mundo e que estão instalados desde a fundação da "injustiça, desigualdade e exclusão." (Regra SSVP, art. 7.6)
A pobreza é, como dissemos, uma questão fundamental e indissolúvel para a Sociedade de São Vicente de Paulo e, por essa razão, parte da nossa jornada e companheiro de viagem para todos Vicentina e conferências. Pobreza a que devemos conhecer em toda a extensão e nas diferentes faces mostra ao longo de um serviço completo de dificuldade, mas, também, cheio de amor.

Fonte: Boletim "Ozanam," SSVP na Espanha, fevereiro 2016

Sem comentários:

Enviar um comentário