«Somos chamados ao trabalho desde a nossa criação. Ajudar "pessoas em situação de pobreza" com dinheiro deve ser sempre um remédio provisório. O verdadeiro objectivo deveria ser sempre consentir-lhes uma vida digna através do trabalho» Laudato Si: página 88.

segunda-feira, 9 de abril de 2018

O VALOR DA ORAÇÃO NO PRIMEIRO DIA DA SEMANA


Do Evangelho segundo S. João 20, 19-31 domingo 8 abril

Após a Ressurreição de Jesus os discípulos, passaram a reunirem-se no primeiro dia da semana que traduzida é o dia de Domingo. Ao lermos o texto os discípulos começaram a encontrar-se e reunidos num lugar seguro com medo da chegada dos judeus, aparece Jesus e dirigindo-se aos presentes diz: “A paz esteja convosco”. Mostrou as suas mãos e o seu lado e volta a repetir a saudação: «A paz esteja convosco».
O texto não diz, mas podemos traduzir hoje que Jesus logo ali, criou muitas dúvidas entre os presentes se realmente era o Jesus Cristo, se era mesmo como tinha dito que voltaria e Tomé bem duvidas teve.  ELE Jesus, de volta ao segundo encontro dirigindo-se de novo anuncia os deveres que os discípulos terão que ter a partir dessa altura, ao pregar pelo mundo. «Assim como o Pai Me enviou, também Eu vos envio a vós» Dito isto soprou sobre eles e disse a seguir: «Recebei o Espírito Santo». Àqueles a quem perdoardes os pecados ser-lhe-ão perdoados; e àqueles que retiverdes serão retidos…  
Tomé, já presente do primeiro dia da semana Domingo, duvidando se realmente era ou não que estava ali Jesus dizendo que só tocando introduzindo com os seus dedos nos cravos, é que acreditaria. Jesus responde-lhe e pede-lhe para que Tomé toca-se. Perplexo do momento por causa da sua dúvida de Fé… diz: «Meu Senhor e meu Deus»
Sobre esta parte do Evangelho de S. João, o que me merece na reflexão, não só o interesse de ser o dia de Domingo que qualquer cristão deve cumprir é, o sentido que poderíamos dar ao colocar como um exemplo passado numa das nossas paróquias.
Numa das nossas aldeias um pároco conhecendo todos os seus paroquianos, reparou que o sr. António (nome fictício), deixou de aparecer à missa, então o pároco resolve visita-lo, sentados próximos da lareira, em determinada altura o pároco pega numa acha, coloca-a mais ao lado. A conversa continua e passados uns minutos o pároco pega na acha e faz-lhe a pergunta: Vê esta acha sem chama já em cinca queimada, negra!
É o que acontece connosco quando não nos comprometemos com Deus nas orações e na Eucaristia, ficamos sem alegria, tristes, depressivos, distanciados de tudo e de todos, afastamo-nos de nós próprios com Deus e com a comunidade familiar.
Tomemos por outro lado outro exemplo bem mais do nosso tempo moderno. Sinto que alguns casais que não frequentam a Eucaristia Dominical, estão propensos a não conseguirem superar as arrelias próprias de um casal. Com a oração Deus, dá-nos forças para ultrapassar os obstáculos muitos são derivados de varias ordem; emprego, doenças, problemas do fora de sexualidade que tem levado a tantos divórcios, ao respeito mutuo.
Então que todos nós, peguemos, na “tocha em brasa”, levantemos bem alto e iluminemos os nossos pensamentos e desejos e digamos; se é isto que supera as dificuldades do modo de vida, se é isto que salva o meu casamento então, digamos: PRESENTE… Deus está à nossa espera ao domingo pois se nos dá sete dias da semana e vinte e quatro horas por dia, talvez consignemos arranjar, uma hora por semana de oração e encontro com o Senhor.

Sem comentários:

Enviar um comentário