«Somos chamados ao trabalho desde a nossa criação. Ajudar "pessoas em situação de pobreza" em dinheiro, deve ser sempre um remédio provisório. O verdadeiro objectivo deveria ser sempre consentir-lhes uma vida digna através do trabalho» Laudato Si: página 88.

domingo, 20 de maio de 2018

O homem e a mulher perante as crises económicas e pessoais!

Neste domingo de 20 maio, dia de descanso para os católicos e mesmo desanimado com algumas pessoas, pela seu trilho de caminho escolhido que perante Deus não será o melhor e muito mesmo será aos olhos do homens mas, esta é cego, não poderei deixar partilhar este tema interessante. Pode e dá algumas pistas de reflexão, como podemos trilhar as avenidas das nossa ruas, das nossas casas com muitos "degraus sujos, desalinhados pelos tempos". Será que conseguimos subir até ao ponto mais alto com perseverança até um dia?  O melhor, é ler o texto.

Diante da crise actual, “buscar a justiça de Deus” 

Uma reflexão semanal com Ozanam


O primeiro dever dos cristãos é não ter medo e o segundo, não assustar os outros. Pelo contrário, tranquilizar os espíritos perturbados, fazendo-os considerar a crise actual como uma tempestade que não pode durar muito tempo. A providência está lá e nunca se viu que esses choques financeiros que perturbam a ordem material das sociedades tenham durado mais do que alguns meses. Não se preocupe muito com o dia seguinte e não diga “o que vamos comer e o que vestiremos?” Tenhamos coragem, procuremos a justiça de Deus e o bem da Pátria e o resto nos será dado por acréscimo.

 Frederico Ozanam, carta a seu irmão, Pe. Alphonse Ozanam, 6 de março de 1848


Reflexão:


  1. Este texto parece escrito para a nossa época. Como nos tempos de Frederico, há mais de 150 anos, nossa sociedade atual passa por um período turbulento de crise e guerras que nos desencorajam. Não há dia em que notícias odiosas não apareçam a esse respeito, nos jornais e nas notícias.
  2. O contexto desta carta é o seguinte: Frederico está preocupado com os problemas decorrentes da recém-nascida revolução industrial, que afetou, muito particularmente, o sector marginal da sociedade: o proletariado. Com uma visão do futuro, ele levantou a necessidade de reestruturar novos conceitos de trabalho, salários, associativismo do trabalhador … Poderíamos cair no perigo de ver este homem como um “programador de ideias” sem mais. Mas não: ele buscou soluções concretas, humanas e cristãs em favor dos oprimidos, dos trabalhadores e dos pobres. Seguindo seu exemplo, hoje podemos tomá-lo como modelo, levando em consideração, como ele fez, a situação histórica do momento em que vivemos. Nem melhor nem pior, mas com uma ampla plataforma para gastar-nos e se desgastar em favor da construção do Reino de Deus.
  3. Frederico diz aos cristãos que nosso primeiro e segundo dever, nessas situações, é “não ter medo e não assustar os outros”: manter a calma e ajudar os outros a viver a situação com esperança, “como uma tempestade que não pode durar muito tempo”. No entanto, a esperança cristã de Frederico não é estática ou providencial. Ele sabe que para resolver os problemas, temos de começar a trabalhar: “tenhamos coragem, procuremos a justiça de Deus”… Os vicentinos sabem o que é essa justiça: estar ao lado dos pobres, dos quais a maioria está sofrendo os movimentos convulsivos económicos e de poder em nosso mundo.
  4. No final de 2013, o próprio Papa Francisco exortou as ordens religiosas a acolher refugiados em conventos vazios: “Conventos e monastérios vazios não devem ser convertidos em hotéis pela Igreja para ganhar dinheiro. (As construções) não são nossas, elas são para a carne de Cristo, que é o que os refugiados são”, disse o papa durante uma visita a um centro de recepção na capital italiana. “Certamente, isso não é algo simples, é preciso critério, responsabilidade, mas também coragem, temos feito muito [para os refugiados], mas talvez somos chamados a fazer mais”, acrescentou. O Papa também disse que “a caridade que deixa os pobres na mesma situação não é suficiente, […] não basta dar um sanduíche, […] a verdadeira misericórdia exige justiça, quer que os pobres encontrem o caminho para não sê-lo mais”.

Questões para o diálogo:

  1. Qual é a minha atitude em relação à situação de necessidade causada pela actual crise? Vivo “sem medo e sem susto”, como Frederico sugere?
  2. Eu me preocupo com a situação de meus pessoas próximas, vizinhos, parentes, de todas as pessoas pobres ao meu redor?
  3. Tenho esperança de que a situação melhore para todos? Como meu trabalho é aliviar as necessidades daqueles que estão sofrendo mais com esta situação de desamparo?
  4. Eu sigo as notícias que me informam dessas situações? Eu denuncio injustiça?
  5. Como interpreto o texto anterior do Papa Francisco? Conheço iniciativas semelhantes no meu ambiente? E aqueles de nós que são seculares, podemos ajudar de alguma forma a tornar o pedido do Papa uma realidade? É apenas uma mensagem para os consagrados, ou envolve todos nós?

Sem comentários:

Enviar um comentário