"Eu gostaria de abraçar o mundo inteiro em uma rede de caridade"
António Frederico Ozanam

quinta-feira, 16 de outubro de 2014

"O Pobre na presença de Deus"

St. Vincent nos ensina a ver Cristo nos pobres e sofredores, tanto assim que os pobres tornam-se nossos senhores e mestres e nós, seus servos. Espiritualidade vicentina é centrada em torno deste conceito. Jesus disse: "Tudo o que você fez para um destes meus irmãos mais pequeninos, a mim o fizestes." (Mateus 25: 34-40). Então, nós honramos nosso Senhor Jesus Cristo, servindo-O tanto material quanto espiritualmente, na pessoa dos pobres. Vicentinos acreditam que a verdadeira religião é encontrada entre os pobres, e que, como nós atendemos às suas necessidades, eles nos inspiram e nos evangelizar. cito: famvin

A esta frase como pensamento de S. Vicente de Paulo surgiu-me a ideia em como se pode por ao serviço dos mais necessitados a nossa experiência de vida e como tal refiro dois exemplos vividos que partilharei aqui:   


Hoje ao sair para tomar um café próximo de um mega-contentor reparei que no chão estava um lavatório com a torneira e pareceu que estava ainda quase novo. Fiquei admirado e perguntei a mim: Quem pôs aqui não seria melhor guardar em casa e tentar vender ou doar numa instituição de solidariedade tipo loja social que recolhe materiais usados para vender a preços mais baratos ou oferece a pessoas com parcos recursos. 
Outro caso, recentemente ao visitar uma senhora que pedia ajuda para resolver alguns seus problemas económicos, queixou-se que e não sabia porquê, gastava demasiado quantia em luz. Sugeri-lhe que revê-se a potencia contratada e que reduzi-se também a potencia das águas que utiliza para banhos diários.

Chego à conclusão que a melhor maneira de compreender os problemas dos que mais precisam é aprenda a servir os pobres e marginalizados, num espírito de partilha mútua praticada por São Vicente de Paulo em todo o mundo que ele inspirou. É também ajudar as pessoas que muitas vezes sentem-se deprimidas e não conseguem discernir que a melhor forma de superar a falta de dinheiro é ter alguma sobriedade nos gastos. É recordar como devem saber gerir os seus próprios bens materiais. 
Mas isso obriga-nos a que quando somos chamados numa visita que façamos à partida não ir já com espírito derrotista, ir com o pensamento que se calhar é mais uma pessoa gastador e que não merece a pena perdermos o nosso tempo. Ao ajudar uma pessoa mesmo que não precise de ajuda monetária mas de orientação é reconhecer e servir no pobre, na pessoa que nos pede ajuda, o próprio Deus. 

Sem comentários:

Enviar um comentário